sobre-o-algodao/historia
AMIPA - Sobre o Algodão > História

Notificação

Coloque aqui a descrição do alerta pelo parametro 'desc'!
Fechar

18 anos

UMA ASSOCIAÇÃO DE FIBRA

Beneficiamento

BANCO TÉCNICO

Clique na imagem para ver detalhes.

Sobre o Algodão > História

NO MUNDO

 

A história do algodão remonta a séculos antes de Cristo, a partir de vestígios de seu cultivo encontrados em regiões do Paquistão e do litoral norte do Peru e, também, no belíssimo artesanato têxtil dos Incas, reproduzido geração após geração, até os dias de hoje.

 

Acredita-se que a expansão do algodão para outros países ocorreu a partir da Índia, e desta para a Mesopotâmia, que chegou a ser um dos principais núcleos de comércio à época.

 

Foram os conquistadores árabes os responsáveis pela instalação de tecelagens na Espanha, Veneza e Milão. Na Europa, o início das atividades industriais com o algodão deu-se em 1641, com a primeira fiação inaugurada em Manchester, Inglaterra, à mesma época em se iniciava a Revolução Industrial, marco fundamental da expansão do capitalismo.

 

NO BRASIL

 

Os indígenas, à época do descobrimento do Brasil, já transformavam o algodão em fios e tecidos rudimentares.

 

Foi em 1750, no Nordeste, o começo da exploração comercial da cultura agrícola do país, sucedendo às atividades de mineração iniciadas com a colonização portuguesa. A partir dessa época, e até meados da década de 80, o Brasil chegou a ser um dos maiores produtores e exportadores mundiais de algodão.

 

A ruína do cultivo algodoeiro na região nordestina ocorreu na mesma década e deveu-se à chegada ao país, trazido do exterior, do inseto denominado bicudo-do-algodoeiro o qual ainda permanece como uma das maiores pragas da cotonicultura mundial. A infestação do bicudo levou à destruição de plantações inteiras na região e provocando sucessivas reduções de área plantada até a década de 90. Entre 1981 e 1995, a redução da área plantada brasileira chegou a mais de 60% e cerca de 800 mil postos de trabalho no campo deixaram de existir.

 

No rastro deixado pela praga, deu-se novo impacto sobre o setor cotonicultor brasileiro, nesse período, com as mudanças das políticas comerciais e econômicas acompanhadas da abertura comercial ao exterior, causando a exposição dos produtores de algodão e das indústrias têxteis nacionais à desigual concorrência dos importados.

 

Nesse panorama, a cultura algodoeira se manteve ao migrar para os Estados de São Paulo, Paraná e Mato Grosso do Sul e seu crescimento teve como fator principal o desenvolvimento de cultivares voltadas ao cultivo no cerrado, iniciado pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) no começo da década de 1990.

 

A atividade ressurgiu no Nordeste, mas aos poucos foi superada pela alta competitividade demonstrada pelas regiões do cerrado, com a produção centrada no sistema empresarial. O Estado do Mato Grosso - há anos o maior produtor nacional - e a Bahia respondem juntos por mais de 80% do algodão em pluma produzido no Brasil.

 

EM MINAS GERAIS

 

Em 1780, o algodão já havia se tornado um importante item da produção estadual. Em 1785, a manufatura de tecidos chegou a ser proibida pelas autoridades portuguesas, preocupadas com a grande expansão da indústria do algodão em toda a colônia.

 

Mesmo com a sua produção pulverizada e dispersa, Minas Gerais superou essa barreira e conseguiu prosperar por algumas décadas, mas por volta de 1823 a atividade entrou em decadência e foi substituída pela cultura cafeeira.

 

Nessa época, os principais municípios do Estado envolvidos com o plantio, fiação e tecelagem do algodão eram os de Mariana, Queluz, São José del Rei (hoje São João Del Rei), Tamanduá, Ouro Preto, Campanha, Paracatu, Jacuí, Caeté e Sabará, apesar de ocorrer a produção de algodão, em menor escala, em todas as regiões mineiras.

 

Minas Gerais também foi um dos destinos na migração da cultura a partir do Nordeste, alcançando as regiões do Alto Paranaíba, Noroeste e Triângulo Mineiro. Graças ao empreendedorismo e persistência de produtores mineiros que lutaram pela alta produtividade e qualidade do algodão, a cotonicultura chegou a representar uma das mais importantes atividades agrícolas estaduais.

 

Esses profissionais imprimiram à cultura do algodão um elevado nível de organização, modernizando as instituições de apoio à atividade, como a histórica constituição da Amipa e a posterior criação do Programa Mineiro de Incentivo à Cultura do Algodão (Proalminas).

 

Em decorrência do Proalminas, a cotonicultura em Minas conta com o excepcional apoio do Fundo de Desenvolvimento da Cotonicultura do Estado de Minas Gerais (Algominas) e os serviços tecnológicos da Central de Classificação de Fibra de Algodão (Minas Cotton).

 

Destaca-se também nesse período, o fundamental estímulo dos produtores, por meio da Amipa, à implantação de cooperativas de comercialização de algodão nas regiões produtoras do Estado.

 

Querido usuário: Atualize seu navegador

Identificamos que seu navegador está desatualizado e não consegue exibir complementamente este site, atualize-o.

Atualizar seu navegador

Infelizmente não existem versões mais recentes do seu navegador disponivél para seu sistema operacional(Windows XP ou inferior), com base nisto disponibilizamos abaixo o Google Chrome Frame, um complemento para seu navegaor que habilita a compatibilidade do site.

Clique ao lado para instalar o Google Chrome Frame e habilitar a compatibilidade do nosso site no seu navegador, após a instalação reinicie seu navegador.

Atualizar seu navegador

Seu navegador possui uma versão mais recente, atualize-o para poder acessar este site.

Identificamos que voce está utilizando um versão desatualizada do seu navegador, clique ao lado para atualizar para sua versão mais recente.

Atualizar seu navegador

Seu navegador possui uma versão mais recente, atualize-o para poder acessar este site.

Identificamos que voce está utilizando um versão desatualizada do Internet Explorer, clique ao lado para atualizar para o Internet Explorer 8.

Instalar um novo navegador

É altamente recomendavel que instale um novo navegador, os indicados abaixo foram testados e indicados por orgãos responsavéis.

Motivo para atualização ou instalação de um novo navegador

Nosso site usa e abusa das novas tecnologias da web para ofereçer segurança, estabilidade e rapidez para a sua navegação, seu navegador esta desatualizado e não oferece compatibilidade para tais tecnologias, além deste site, ele pode estar influenciando toda sua navegação na internet negativamente, entenda mais motivos clicando aqui.